Quarta-feira, 23 de Abril de 2014

GLORIOSO

EHHHHHHHHHHHH O CAMPEÃO VOLTOU!! O CAMPEÃO VOLTOU!! O CAMPEÃO VOLTOU!!

 

Não sendo católica, nunca tinha passado uma Páscoa com tanta fé em Jesus como nesta. O final da época passada foi do mais horribilis que tenho memória enquanto Benfiquista.

Por todos os motivos e mais alguns, este ano tinha que ser vermelho.

Este ano fui mais vezes ao Estádio ver jogos do que nos 5 anos anteriores juntos.

Um fds prolongado com direito a quase tudo o que a vida tem de bom. Amor, amizade, fraternidade, risos, gargalhadas, volei na praia, mar, muita cantoria e muita dança, Mojitos e Morangoskas (seguidos de um dia KO com muita coca cola e cházinho, algum trabalho do bom - rodeada de amigos e família) e para rematar um fds em grande... BOLA!!

O fds (arrisco até a dizer a semana toda) passado em ansiedade, à espera DO jogo. O jogo do título? O jogo do regresso aos fantasmas??

Da gaveta, saltaram as minhas camisolas de jogo, o meu casaco de fato de treino (nunca voltado a usar em 20 anos) e o cachecol do 32º campeonato, comprado há 4 anos atrás. Os nervos estavam instalados como há muito não os sentia.

Não tenho memória de tanta emoção num jogo de futebol.

Ver o Estádio da Luz, lotado, vestido de vermelho e branco, ouvir mais de 63 000 pessoas a entoarem o Hino do Benfica... não se explica, sente-se!!

É um sentir gigante. Um sentir que arrebata, que emociona muito, muito.

45 minutos de sofrimento e oportunidades falhadas. Depois percebi o porquê. Estiveram a guardar os golos para a baliza mais perto de mim. Para os poder ver melhor. 2 golos. 2 explosões de emoção. Felicidade, raiva, orgulho, garra... não se explica, sente-se. A comunhão vermelha e branca.

Sair do estádio e ver as ruas vermelhas e brancas. Rumar ao Marquês e buzinar a mota até a vencer pelo cansaça. Resultado: agora kdo buzino mais parece que tenho um burro. Aquilo não é uma buzina é um zurro.

Enfim, a chegada ao marquês para festejar um título, pode ser repetida várias vezes ao longo da vida mas nunca se está devidamente preparada para... A dimensão da coisa consegue sempre assolapar-me a alma.

1º coisa a fazer: reformar o cachecol do 32º título e dar lugar ao do 33º. Posto isto, juntar o "gang" e dar largas à imensa felicidade. Se já somos felizes quando nem há Benfica a jogar, quando se junta a nossa felicidade com outra destas proporções a coisa vira um momento BRUTAL e INESQUECÍVEL. No nosso grupo, o orgulho de ter a companhia de 3 sportinguistas, de sorrisos rasgados no meio de lampiões e papoilas saltitantes. Sou abençoada por ter na mha vida pessoas onde os valores mais importantes são os que falam mais alto, fazendo com que a amizade e o carinho se sobreponham a clubismos e a mesquinhices. Serei uma papoila no meio de leões quando o Sporting for festejar, se assim for caso.

Para além de todos os motivos que tinha para ser uma benfiquista feliz, tinha mais um.

 Moro na mesma casa onde nasci onde, desde muito pequena, vi o Jorge Jesus a chegar dos treinos. Brinquei com os filhos dele e conheço alguma da sua família. Por mais um motivo que a maioria dos benfiquistas, ontem fiquei feliz... por ELE, por eles (família) e por nós (malta do bairro).
Não queria mesmo deixar de passar o dia de hj sem lembrar aqueles que o "apedrejaram" sem dó nem piedade no final da época passada. Lembrar o sofrimento que isso causou, naquele que foi um responsável GIGANTE pela alegria que sentimos ontem e hoje e o resto da época.
Lembrar que entraram mais uns milhões p o cofre do Benfica à conta do Matic, lembrar que somos a ÚNICA equipa portuguesa a estar AINDA em todas as frentes competitivas e que, mesmo sem ganhar mais nada este ano (coisa que não acredito), esta foi mais uma época BRILHANTE, onde vi o meu clube a jogar bem e bonito!!! 
Posto isto, Jorge Jesus... BATES FORTE CÁ DENTRO!!!

 

Estrunfina às 21:50
Link | Comentar AKI

Últimas Estrunfinices

OBRIGADA!!!

Por fin...

Catarse!!!

Nem mais!

Há coisas do caraitas!!!

4655 Dias de TI

RESPECT!!

A primeira aula da manhã

Suspiro FUNDO

Quer-me cá parecer que...

Baú das Estrunfinices

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Aldeia dos Estrunfes

O Divino em MIM

 

A MINHA FILHA.  O calor do sol a keimar o corpo num dia de praia. Um mergulho de mar ao luar.  Os sorrisos.  Morangoska granizada. Akela música, no momento certo.  Andar descalça sobre a relva.  O cheiro da terra molhada.  Dream Team Forever Marés vivas num dia de Inverno.  O nascer de um novo dia.   Akele olhar.  Chamusca.  Pego Escuro. Correr na praia e espantar as gaivotas.  Um sussurro k faz bater forte o coração.  O suspiro da minha filha kdo dorme.  A saudade. Gargalhadas.  A gargalhada dela.  Licores.  Avistar Lisboa da Ponte 25 de Abril.  Gelado de Dolce de Leche.  Os ABRAÇOS k transbordam a alma.  O microfone. Quando os meus alunos "Conseguem".  Andar de mão dada. Cócegas.  "AMO-TE".  Petiscadas.  A atracção.  Ilha deserta.  Sentir a minha filha dentro de mim.  Dançar.  Pasteis de Nata.  O carinho de ex-alunos. O silêncio.  O céu estrelado de uma noite quente no Alentejo.  As minis à varanda, a ver o mar. DREAM TEAM FOREVER.  O carinho da família.  Banho de mar "em pêlo".  As bolachas da mana.  A fogueira da Praia Verde.  Ver a minha filha aprender algo novo. Porto Novo.  Rir até chorar. Serra de Sintra.  Os primeiros passinhos.  Ver raios de sol "furarem" o céu nublado.  AMIG@S.  Ouvir o bater do coração.  Olhar nos olhos.  Vimeiro.  Uma massagem.  Cheirinho a casa limpa.  Golo de Portugal. O Guadiana.  Orgasmo.  Ver o pôr-do-sol sabendo k ele nasce noutro sítio ao mesmo tempo.  Amamentar.  O céu azul.  Noite quente à beira Tejo.  Papoilas.  Cheiro a maresia.  Sardinhas assadas.  Alcançar.  O brilho do sol reflectido na água.  Gaivotas.  Fazer amor na praia.  O cheirinho k fica na roupa dela .  Acordar.  Fazer "Koys" enroscadinha a ela debaixo do edredon.  Cataplana de Lagosta.  A minha filha bébé adormecer sobre o meu peito enkto mexia na mha orelha.  Lua Cheia.  Panquecas às 3 da manhã.  O Cristo Rei.  O cheiro da pele depois de fazer amor.  A casca do pessego.  A "minha" estrela.  O toke. Pistacios.  Correr com ela na praia.  As boas conversas.  Girassóis.  Concertos dos Bon Jovi. Chorar até tirar o peso do peito.  Cantar.  Coca-cola.  Rezar.  Guincho. Todas as "Good Nights".  Margarita de morango a meio da tarde na esplanada do Siesta.  Frio na barriga. Orgulho.   Dormir numa cama feita de lavado.  Beijo com língua.  Golo do Benfica.  Uma garrafa de Grandjó geladinha.  A primavera no Alentejo.  Lareira.  Póvoa Dão.  Voar.  A carta certa num jogo de Poker.  Jantar à luz das velas.  Caracóis.  Ganhar no último minuto.  Uma viola, uns acordes e amigos. Beijos no pescoço.  O 1º "Mamã".  Ver a balança a baixar.  Um cigarro ao luar.  Cheirar protector solar no Inverno.  Bolas de sabão. Fazer mergulho.  Trovoada de Verão numa noite à beira mar.  O 1º beijo.  Banho de espuma e pétalas, música certa e luz de velas. Dormir a sesta.  Lisboa à noite vista do ar.  Ramos de rosas.  Ferreira.  O sabor da água salgada na pele.  Ouvi.la cantar a plenos pulmões quando vai à pendura na mota. O vôo da cegonha.  Os jogos em "Miami Beach".  APRENDER.

 

 

 

blog1