Quarta-feira, 2 de Maio de 2012

Saudade

Ontem foi dia de  voltar a matar saudades do meu Dream Team dos tempos do glorioso.

Mais umas caras novas, mais uns rebentos, sempre grandes sorrisos e abraços, sempre a cumplicidade, sempre as mesmas histórias recordadas vezes sem conta, sempre tão bom. Os putos enfiados num insuflável aos pulos, permitindo às mães disfrutar de um rico almoço num restaurante no Estádio da Luz, construído praticamente em cima do local onde outrora vivemos as nossas "glórias".

À chegada daquele a que muitas consideramos um 2º pai, uma surpresa. Cópias em DVD de um dos jogos mais gloriosos que fizémos que, se não estou em erro, nos deu o título de campeãs regionais e o apuramento para a fase final do campeonato nacional (coisa inédita no clube) e onde ganhámos o 4º set por 15-0 contra as nossas grandes e eternas rivais, a equipa do Liceu Filipa de Lencastre.

Depois de uma tarde inteira de roda da mesa e de nos perguntarem se ficariamos para jantar, partimos com planos para um próximo reencontro e até para uma inscrição na edição do Belém Volei deste ano, na categoria de veteranas (o único escalão onde ainda não jogámos oficialmente juntas).

Chegadas a casa, vá de postar as fotos no FB para fazer pirraça às que não foram e vá de meter o DVD no leitor. às primeiras imagens, inevitavelmente (putas das hormonas pahh) as lágrimas começaram a rolar cara abaixo. 20 anos passaram desde aquele jogo...20 anos!!!

Pareciamos todas iguais, na mesma (obrigado filmagens a longa distância em VHS) mas passaram 20 anos.

Depois o inevitavel pensamento: O meu rabo cabia dentro de uns micro calções cueca, BRANCOS (!!!!ainda por cima!!!!). Eu estava magra. Estranhamente n era isso que me fazia chorar.

Fez-me chorar a saudade. A saudade de estar com elas todos os dias. A saudade da competição aguerrida. A saudade de lidar com o medo, com o erro, com o sucesso. A saudade de não ter tempo p paneleirices e esquecer o que se acabou de falhar para poder ter sucesso no segundo a seguir. A saudade daquele espírito de equipa, daquela união, daquelas irmãs que eu tinha. Saudade do tempo em que nada mais importava naquele instante, só o Ali e o Agora. Saudade de umas bancadas cheias a gritar por nós, no tempo em que ainda não havia o "SLB, SLB Glorioso, Slb" e em que se gritavam coisas como "Benfica é bom e há-de ser" e "Só, só, só mais um" quando nos faltava apenas 1 ponto para ganhar o set ou o jogo. Saudades do tempo em que festejávamos cada ponto gritando "Eh NÓS!!" porque era o Nosso Momento, o Nosso Esforço, o Nosso Sucesso.

Dei por mim numa pilha de nervos a ver o jogo, mesmo sabendo que ganhávamos no final. Dei comigo irritadíssima comigo própria e a gritar p o treinador me substituir. Ver o jogo de uma perspetiva de treinadora é muito diferente de quando o via como atleta.

Depois de ver o jogo, liguei ao meu querido X e disse-lhe, "Devias ter mesmo falta de atletas pahh, eu era uma lástima a atacar!" ao que ele respondeu: "Às vezes não é o que remata com mais força que é o melhor jogador e, no teu caso, o fator humano era o mais importante." Fiquei a refletir no que me disse. Impossível não concordar com ele e isso fez-me sentir muito, muito orgulhosa. Podia ter uns míseros 1,62m (provavelmente ainda menos, na altura) mas caraças me lixem se não deixava a pele em campo se fosse preciso.

Para quem nunca praticou um desporto, paar quem nunca pertenceu a uma equipa, este post parecerá completamente exagerado, irreal até. Para outros, ficará apenas um sorriso de reconhecimento na cara, estou certa.

Tive uma vontade enorme de falar com aquela miuda de 16 anos e dizer-lhe um montão de coisas. Essencialmente, tive vontade de lhe dizer que o caminho pode ser acidentado mas, nos próximos 20 anos, vai ser FELIZ!!

 

ONTEM FOI UM DIA BOM!

 

Estrunfina às 13:07
Link | Comentar AKI

Últimas Estrunfinices

OBRIGADA!!!

Por fin...

Catarse!!!

Nem mais!

Há coisas do caraitas!!!

4655 Dias de TI

RESPECT!!

A primeira aula da manhã

Suspiro FUNDO

Quer-me cá parecer que...

Baú das Estrunfinices

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Aldeia dos Estrunfes

O Divino em MIM

 

A MINHA FILHA.  O calor do sol a keimar o corpo num dia de praia. Um mergulho de mar ao luar.  Os sorrisos.  Morangoska granizada. Akela música, no momento certo.  Andar descalça sobre a relva.  O cheiro da terra molhada.  Dream Team Forever Marés vivas num dia de Inverno.  O nascer de um novo dia.   Akele olhar.  Chamusca.  Pego Escuro. Correr na praia e espantar as gaivotas.  Um sussurro k faz bater forte o coração.  O suspiro da minha filha kdo dorme.  A saudade. Gargalhadas.  A gargalhada dela.  Licores.  Avistar Lisboa da Ponte 25 de Abril.  Gelado de Dolce de Leche.  Os ABRAÇOS k transbordam a alma.  O microfone. Quando os meus alunos "Conseguem".  Andar de mão dada. Cócegas.  "AMO-TE".  Petiscadas.  A atracção.  Ilha deserta.  Sentir a minha filha dentro de mim.  Dançar.  Pasteis de Nata.  O carinho de ex-alunos. O silêncio.  O céu estrelado de uma noite quente no Alentejo.  As minis à varanda, a ver o mar. DREAM TEAM FOREVER.  O carinho da família.  Banho de mar "em pêlo".  As bolachas da mana.  A fogueira da Praia Verde.  Ver a minha filha aprender algo novo. Porto Novo.  Rir até chorar. Serra de Sintra.  Os primeiros passinhos.  Ver raios de sol "furarem" o céu nublado.  AMIG@S.  Ouvir o bater do coração.  Olhar nos olhos.  Vimeiro.  Uma massagem.  Cheirinho a casa limpa.  Golo de Portugal. O Guadiana.  Orgasmo.  Ver o pôr-do-sol sabendo k ele nasce noutro sítio ao mesmo tempo.  Amamentar.  O céu azul.  Noite quente à beira Tejo.  Papoilas.  Cheiro a maresia.  Sardinhas assadas.  Alcançar.  O brilho do sol reflectido na água.  Gaivotas.  Fazer amor na praia.  O cheirinho k fica na roupa dela .  Acordar.  Fazer "Koys" enroscadinha a ela debaixo do edredon.  Cataplana de Lagosta.  A minha filha bébé adormecer sobre o meu peito enkto mexia na mha orelha.  Lua Cheia.  Panquecas às 3 da manhã.  O Cristo Rei.  O cheiro da pele depois de fazer amor.  A casca do pessego.  A "minha" estrela.  O toke. Pistacios.  Correr com ela na praia.  As boas conversas.  Girassóis.  Concertos dos Bon Jovi. Chorar até tirar o peso do peito.  Cantar.  Coca-cola.  Rezar.  Guincho. Todas as "Good Nights".  Margarita de morango a meio da tarde na esplanada do Siesta.  Frio na barriga. Orgulho.   Dormir numa cama feita de lavado.  Beijo com língua.  Golo do Benfica.  Uma garrafa de Grandjó geladinha.  A primavera no Alentejo.  Lareira.  Póvoa Dão.  Voar.  A carta certa num jogo de Poker.  Jantar à luz das velas.  Caracóis.  Ganhar no último minuto.  Uma viola, uns acordes e amigos. Beijos no pescoço.  O 1º "Mamã".  Ver a balança a baixar.  Um cigarro ao luar.  Cheirar protector solar no Inverno.  Bolas de sabão. Fazer mergulho.  Trovoada de Verão numa noite à beira mar.  O 1º beijo.  Banho de espuma e pétalas, música certa e luz de velas. Dormir a sesta.  Lisboa à noite vista do ar.  Ramos de rosas.  Ferreira.  O sabor da água salgada na pele.  Ouvi.la cantar a plenos pulmões quando vai à pendura na mota. O vôo da cegonha.  Os jogos em "Miami Beach".  APRENDER.

 

 

 

blog1