Domingo, 6 de Novembro de 2011

Entre o Perdão e a Saudade

Surpreendentemente está sol e ainda bem k assim é.

No entanto e, independentemente do sol convidativo, hoje opto por ficar em casa. Ando assim nos últimos tempos, caseirinha.

Esta crise tem-me causado preocupações e obrigado a contenções. Isso tem-me feito saborear melhor os "pequenos" prazeres da vida. A companhia de kem amo, o passear só para ver coisas diferentes, o conversar, os silêncios partilhados com kem os entende, os momentos só meus em k penso na vida, na minha vida, no k passou, no k há-de vir, nos sonhos, na saudade...tanto, tanto.

Este fds tenho estado particularmente contemplativa em relação à mha vida. Talvez por isso me apeteça escrever. Tornar reais os meus pensamentos. Pk os pensamentos são uma coisa meramente abstrata e resumem-se a sê-lo até ao momento em k os comunicamos de alguma forma. Seja por manifestações físicas concretas em k os nossos atos refletem o k pensamos, quer através de palavras, escritas, ditas, gritadas do alto de uma montanha. Já fiz de tudo! Hoje escrevo. É mais fácil. Não me interrompem nem me tomam como louca por estar a gritar do alto de uma montanha. Aqui sou eu e só eu e para muitos que lêm estas palavras nem sabem quem é o Eu que aqui está.

Outros sabem que é este EU ou pelo menos conhecem parte dele. Por vezes julgam o que escrevo erradamente ou porque julgam que me conhecem bem e isso n é bem verdade outras porque... acho que é quase sempre pelo mesmo motivo. Se bem k há kem julgue sempre, no matter what, como diz a Madonna "its's human nature".

Por vezes chega a ser condicionante. Raramente. Mas acontece. Aqui eu n tenho k ser exemplo de nada pk eu n kero ser exemplo de nada. Coberta de erros, defeitos e coisas feias sou como sou e é aqui que me liberto de muitas coisas minhas. Algumas nunca ou raramente falo, coisas k penso kdo corro, conduzo, caminho ou contemplo e k n partilho.

Pk vir partilhar aki?? Primeiro, e acima de tudo, pk é essa a mha vontade e esse seria rgumento bastante e depois porque foi contemplando a vida de outros k aprendi a reconstruir a minha quando o precisei de fazer. Foi através dos pensamentos dos outros que aprendi a enquadrar os meus e a perceber o que é importante para MIM e para a MINHA vida.

Engano pensar k me considero exº seja do k for. Aliás, sou exemplo sim. Sou o exemplo do k sou. Nem mais, nem menos.

E tudo isto porquê hoje?? Essencialmente pelas saudades.

Poucas coisas traduzem essa coisa da saudade.

 

"As coisas vulgares que há na vida não deixam saudade. Só as lembranças que doiem ou fazem sorrir. Há gente que fica na história da história da gente e outras de quem nem o nome lembramos ouvir"

 

Para mim, este verso é brilhante e traduz muito.  

Tenho saudades de tantas coisas e de tantas pessoas. Algumas já partiram de vez e não há forma de as reencontrar.

Outras andam por aí, nas suas vidas que se afastaram tanto da minha.

Mas independentemente da distância e dos motivos da distância, a saudade existe. A saudade confirma k valeu a pena, A saudade confirma que a minha vida foi e é ainda marcada por akelas pessoas, por akeles momentos e k... Valeu a pena!

Por vezes, os ressentimentos são inevitáveis mas a vida encarregar-se-á que um dia sejam partilhados se essa for a melhor forma de os ultrapassar mas a verdade é k, apesar dos ressentimentos, a saudade atesta o quanto os seus objetos não foram coisas vulgares na minha vida.

Li há dias kk coisa como: "Perdoar significa deixarmos de acreditar que o passado poderia ter sido diferente" (Oprah Winfrey) e fez-se-me um clique.

O passado foi o k foi e nada mudará isso. Again, as saudades garantem k valeu a pena mm k um dia  tenha doído muito, mesmo que ainda doa e k vá doer eternamente. Mesmo que haja ressentimentos e mágoas não ultrapassadas. A saudade garante k n foi vulgar, k ficou na alma e na história. Na MINHA alma. Na MINHA história.

 

Hoje foi um dia BOM e estou FELIZ!

 

 

 

: Michael Buble - Always on My Mind
Estrunfina às 17:20
Link | Comentar AKI

Últimas Estrunfinices

OBRIGADA!!!

Por fin...

Catarse!!!

Nem mais!

Há coisas do caraitas!!!

4655 Dias de TI

RESPECT!!

A primeira aula da manhã

Suspiro FUNDO

Quer-me cá parecer que...

Baú das Estrunfinices

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Aldeia dos Estrunfes

O Divino em MIM

 

A MINHA FILHA.  O calor do sol a keimar o corpo num dia de praia. Um mergulho de mar ao luar.  Os sorrisos.  Morangoska granizada. Akela música, no momento certo.  Andar descalça sobre a relva.  O cheiro da terra molhada.  Dream Team Forever Marés vivas num dia de Inverno.  O nascer de um novo dia.   Akele olhar.  Chamusca.  Pego Escuro. Correr na praia e espantar as gaivotas.  Um sussurro k faz bater forte o coração.  O suspiro da minha filha kdo dorme.  A saudade. Gargalhadas.  A gargalhada dela.  Licores.  Avistar Lisboa da Ponte 25 de Abril.  Gelado de Dolce de Leche.  Os ABRAÇOS k transbordam a alma.  O microfone. Quando os meus alunos "Conseguem".  Andar de mão dada. Cócegas.  "AMO-TE".  Petiscadas.  A atracção.  Ilha deserta.  Sentir a minha filha dentro de mim.  Dançar.  Pasteis de Nata.  O carinho de ex-alunos. O silêncio.  O céu estrelado de uma noite quente no Alentejo.  As minis à varanda, a ver o mar. DREAM TEAM FOREVER.  O carinho da família.  Banho de mar "em pêlo".  As bolachas da mana.  A fogueira da Praia Verde.  Ver a minha filha aprender algo novo. Porto Novo.  Rir até chorar. Serra de Sintra.  Os primeiros passinhos.  Ver raios de sol "furarem" o céu nublado.  AMIG@S.  Ouvir o bater do coração.  Olhar nos olhos.  Vimeiro.  Uma massagem.  Cheirinho a casa limpa.  Golo de Portugal. O Guadiana.  Orgasmo.  Ver o pôr-do-sol sabendo k ele nasce noutro sítio ao mesmo tempo.  Amamentar.  O céu azul.  Noite quente à beira Tejo.  Papoilas.  Cheiro a maresia.  Sardinhas assadas.  Alcançar.  O brilho do sol reflectido na água.  Gaivotas.  Fazer amor na praia.  O cheirinho k fica na roupa dela .  Acordar.  Fazer "Koys" enroscadinha a ela debaixo do edredon.  Cataplana de Lagosta.  A minha filha bébé adormecer sobre o meu peito enkto mexia na mha orelha.  Lua Cheia.  Panquecas às 3 da manhã.  O Cristo Rei.  O cheiro da pele depois de fazer amor.  A casca do pessego.  A "minha" estrela.  O toke. Pistacios.  Correr com ela na praia.  As boas conversas.  Girassóis.  Concertos dos Bon Jovi. Chorar até tirar o peso do peito.  Cantar.  Coca-cola.  Rezar.  Guincho. Todas as "Good Nights".  Margarita de morango a meio da tarde na esplanada do Siesta.  Frio na barriga. Orgulho.   Dormir numa cama feita de lavado.  Beijo com língua.  Golo do Benfica.  Uma garrafa de Grandjó geladinha.  A primavera no Alentejo.  Lareira.  Póvoa Dão.  Voar.  A carta certa num jogo de Poker.  Jantar à luz das velas.  Caracóis.  Ganhar no último minuto.  Uma viola, uns acordes e amigos. Beijos no pescoço.  O 1º "Mamã".  Ver a balança a baixar.  Um cigarro ao luar.  Cheirar protector solar no Inverno.  Bolas de sabão. Fazer mergulho.  Trovoada de Verão numa noite à beira mar.  O 1º beijo.  Banho de espuma e pétalas, música certa e luz de velas. Dormir a sesta.  Lisboa à noite vista do ar.  Ramos de rosas.  Ferreira.  O sabor da água salgada na pele.  Ouvi.la cantar a plenos pulmões quando vai à pendura na mota. O vôo da cegonha.  Os jogos em "Miami Beach".  APRENDER.

 

 

 

blog1