Quinta-feira, 30 de Setembro de 2010

"Moi" na PJ

Na sequência do problema que já aqui referi antes, ontem foi altura de me dirigir às instalações da PJ para apresentar uma queixa formal.

Como sempre, a minha tendência para "o galo" fez-se notar logo à entrada.

Que nem numa sede do FBI, a malta tem que passar pelo detector de metais e os nossos "haveres" (gosto desta palavra) passam por um tapetinho rolante como aqueles que há nos aeroportos.

 

Chega aqui o momento de fazer um pequeno parentesis e explicar que muito raramente ando com mala. Os meus haveres essenciais resumem-se ao tlm e às chaves do carro (e eventualmente uma nota de 5, 10 OU 20 € ou o cartão MB).

Mas, atendendo a que poderia ser necessário apresentar a minha identificação (como veio a acontecer), decidi levar a malinha que coloque na passadeira rolante p passar no Rx.

Tranquilamente aguardava do outro lado do tapete quando oiço a srª perguntar (NUM HALL CHEIO DE GENTE): A srª tem um canivete consigo???

 

Fuck fuck fuck...

 

O silêncio instalou-se naquele hall e senti os olhares todos em cima de mim. Senti-me pikenina e a encolher a cada segundo.

 

Como é k me eskeci da porcaria do canivete "tipo" suiço que trago sempre na mala para me desenrascar das mais variadas situações (sim pk o McGyver ao pé de mim é um menino a brincar aos canivetes).

 

Não só foi mau à entrada pk o canivete ficou apreendido como à saída tive k lá chegar e instaurar de novo o silêncio no Hall com um, extremamente acanhado "Vinha buscar o meu canivete".

 

Quanto à queixa e si: fiquei com a consciência de que alguma coisa será feita ou k , pleo menos alguém voltará a olhar para aquilo embora a inspectora me tenha dito que não havendo nada mesmo grave a lei protege estes prevertidos de 40 anos que adicionam miudas de 13, 14 anos e que passam o tempo a comentar as fotos delas dizendo apenas que são giras ou que parecem modelos.

Contou-me algumas histórias arrepiantese deu-me alguns conselhos importantes no que toca a gerir o difícil equilíbrio que se avizinha entre o respeito pela privacidade de um filho e os perigos de uitlização da internet.

 

Por outro lado, fez-me pensar que pouco ou nada se faz em relação a isto as escolas e que não será má ideia começar a pensar nisso, de alguma forma. Por enkto, limitei-me a falar com as minhas ex-alunas e colocar-lhes a kestão desta forma:

 

O que te parece de um tipo de 40 anos que só adiciona miudas de 14 no seu Facebook??

 

A resposta foi unânime: Pedofilia.

 

E pelo menos em relação ákele sujeito julgo elas estarão alertadas e que já se começou a sentir o efeito "passa a palavra".

 

Confesso que toda esta experiência foi um pouco assustadora e muito preocupante chegando mesmo a tirar.me o sono.

Embora não descansada, fico agora com a sensação de ter feito o que estava ao meu alcance e de continuar a fazer o máximo que possa para dificultar a vida a estes sociopatas.

 

Estrunfina às 08:13
Link | Comentar AKI
4 comentários:
De Hugo S. a 30 de Setembro de 2010 às 16:52
Aproveitei e adicionei a Estrunfina como amiga no facebook (pendente de aceitação, claro). Espero ter adicionado a pessoa certa... pelo menos a "foto" do perfil é igual à do blog.


De Estrunfina a 30 de Setembro de 2010 às 23:00
Oh meu querido leitor assidúo Hugo: O FB foi um projecto que caíu por terra pk as ligações aos blogs nem sempre aparecem actualizadas e era mto demorado estar a copiar todos os posts para lá. Mas irei lá hoje de propósito para aceitar o teu pedido. Obrigada pelo previlégio :)


De célia a 30 de Setembro de 2010 às 18:56
Relativamente à tua atitude já comentei anteriormente e mantenho a minha ideia és 5*.
Mas ...agora, pergunto, um à parte deste problema grave - e o teu canivete, ficou apreendido?


De Estrunfina a 30 de Setembro de 2010 às 23:01
Obrigada, minha querida. Era bom que conseguisse fazer mais.
Kto ao canivete...devolveram-mo à saída :P


Comentar post

Últimas Estrunfinices

OBRIGADA!!!

Por fin...

Catarse!!!

Nem mais!

Há coisas do caraitas!!!

4655 Dias de TI

RESPECT!!

A primeira aula da manhã

Suspiro FUNDO

Quer-me cá parecer que...

Baú das Estrunfinices

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Aldeia dos Estrunfes

O Divino em MIM

 

A MINHA FILHA.  O calor do sol a keimar o corpo num dia de praia. Um mergulho de mar ao luar.  Os sorrisos.  Morangoska granizada. Akela música, no momento certo.  Andar descalça sobre a relva.  O cheiro da terra molhada.  Dream Team Forever Marés vivas num dia de Inverno.  O nascer de um novo dia.   Akele olhar.  Chamusca.  Pego Escuro. Correr na praia e espantar as gaivotas.  Um sussurro k faz bater forte o coração.  O suspiro da minha filha kdo dorme.  A saudade. Gargalhadas.  A gargalhada dela.  Licores.  Avistar Lisboa da Ponte 25 de Abril.  Gelado de Dolce de Leche.  Os ABRAÇOS k transbordam a alma.  O microfone. Quando os meus alunos "Conseguem".  Andar de mão dada. Cócegas.  "AMO-TE".  Petiscadas.  A atracção.  Ilha deserta.  Sentir a minha filha dentro de mim.  Dançar.  Pasteis de Nata.  O carinho de ex-alunos. O silêncio.  O céu estrelado de uma noite quente no Alentejo.  As minis à varanda, a ver o mar. DREAM TEAM FOREVER.  O carinho da família.  Banho de mar "em pêlo".  As bolachas da mana.  A fogueira da Praia Verde.  Ver a minha filha aprender algo novo. Porto Novo.  Rir até chorar. Serra de Sintra.  Os primeiros passinhos.  Ver raios de sol "furarem" o céu nublado.  AMIG@S.  Ouvir o bater do coração.  Olhar nos olhos.  Vimeiro.  Uma massagem.  Cheirinho a casa limpa.  Golo de Portugal. O Guadiana.  Orgasmo.  Ver o pôr-do-sol sabendo k ele nasce noutro sítio ao mesmo tempo.  Amamentar.  O céu azul.  Noite quente à beira Tejo.  Papoilas.  Cheiro a maresia.  Sardinhas assadas.  Alcançar.  O brilho do sol reflectido na água.  Gaivotas.  Fazer amor na praia.  O cheirinho k fica na roupa dela .  Acordar.  Fazer "Koys" enroscadinha a ela debaixo do edredon.  Cataplana de Lagosta.  A minha filha bébé adormecer sobre o meu peito enkto mexia na mha orelha.  Lua Cheia.  Panquecas às 3 da manhã.  O Cristo Rei.  O cheiro da pele depois de fazer amor.  A casca do pessego.  A "minha" estrela.  O toke. Pistacios.  Correr com ela na praia.  As boas conversas.  Girassóis.  Concertos dos Bon Jovi. Chorar até tirar o peso do peito.  Cantar.  Coca-cola.  Rezar.  Guincho. Todas as "Good Nights".  Margarita de morango a meio da tarde na esplanada do Siesta.  Frio na barriga. Orgulho.   Dormir numa cama feita de lavado.  Beijo com língua.  Golo do Benfica.  Uma garrafa de Grandjó geladinha.  A primavera no Alentejo.  Lareira.  Póvoa Dão.  Voar.  A carta certa num jogo de Poker.  Jantar à luz das velas.  Caracóis.  Ganhar no último minuto.  Uma viola, uns acordes e amigos. Beijos no pescoço.  O 1º "Mamã".  Ver a balança a baixar.  Um cigarro ao luar.  Cheirar protector solar no Inverno.  Bolas de sabão. Fazer mergulho.  Trovoada de Verão numa noite à beira mar.  O 1º beijo.  Banho de espuma e pétalas, música certa e luz de velas. Dormir a sesta.  Lisboa à noite vista do ar.  Ramos de rosas.  Ferreira.  O sabor da água salgada na pele.  Ouvi.la cantar a plenos pulmões quando vai à pendura na mota. O vôo da cegonha.  Os jogos em "Miami Beach".  APRENDER.

 

 

 

blog1