My Moments
Loading...
Click here to create your own QuitSmokingCounter.com
Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2013

Balanço 2012

Bom, há que ver a coisa pelo lado positivo. Hoje ainda é Janeiro.

Dezembro e janeiro são sempre meses do caraitas mas pronto!! Estou aqui, agora, para o habitual balanço de 2012.

Como sempre, passei os olhos pelos arquivos do blog. Engraçado como reflete a minha vida e me conta a minha própria história.

Continúo a adorar este meu cantinho.

2012... 2012 começou de forma brilhante com a realização de um sonho a 2. Uma fabulosa viagem à Disney e a Paris. O realizar de sonhos é sempre inspirador. Apesar de todos os receios, da crise, das contensões...cá estamos, de viagem feita e contas em dia. Valeu tãooo a pena!!!

A crise marcou sem sombra de dúvida o ano de 2012 mas também o trabalho o fez. Assim sendo, embora muito mais cansada que o habitual, a água tem chegado a todos os moinhos necessários e o barco vai rumando, sem encalhar.

Ainda conseguimos fazer umas férias dignas desse nome e até me lancei numa nova aventura que me transformou numa viciada motard.

No campo da saúde, um sobressalto com direito a cirurgia e alguma complicações mas, já terminei o ano com o assunto resolvido e arrumado, como se quer.

2012 trouxe um momento épico para mãe e filha que, depois de grande antecipação e nervosismo acabou por se revelar um factor de grande união e cumplicidade na nossa relação, o que me encheu de felicidade e orgulho.

Profissionalmente, e depois de um pequeno susto, a coisa ficou na paz e continuei na mesma escola a dar aulas.

Não houve funerais nem velórios e isso é sempre altamente positivo. Aliás, a último funeral onde estive e me senti efetivamente afetada pela perda, ainda estava grávida da mha filha... largamente positivo, portanto.

A minha família atravessa uma fase de calmaria que nem quero valorizar p n dar azar.

No amor, o meu coração continua seguro como se estivesse guardado numa conchinha, tapadinho com uma manta polar e que todas as noites é aconchegado antes de dormir, fazendo-me suspirar.

A minha filha...o que dizer?? Cada vez mais mulherzinha, cada vez mais compincha. Um orgulho e amor transbordantes da pessoa em que se vai transformando e da amigona que estou a ganhar, a cada ano que cresce.

Um dia de aniversário do melhor que já vivi nestes 37 anos e que me assolapou a alma e o coração para a vida.

O trabalho em demasia condicionou bastante as minhas relações pessoais e obrigou-me a ser mais seletiva. Não sendo isso necessariamente mau.

2012 trouxe uma espécie de família de volta e só por isso este ano vale por 10 ou 20 (que foram os anos que estivémos longe). O Dream Team voltou a ser um sonho real e as jogatanas ao fds, os jantares, os almoços e as aventuras em grupo são já uma parte indispensável da minha vida.

Mais um ano de excelente colheira, este de 2012.

Saúde, Paz, Amor, AMIZADE e trabalho. Não há muito mais para desejar da vida.

Que assim continue e que não falte o dinheiro para cumprir as minhas obrigações e, se possível, realizar uns quantos desejos (mas eu não quero uma mala Bechamél, ok?)

 

Let's Bora 2013!!

 

: Bruno Mars - Count on Me
Estrunfina às 11:15
Link | Comentar AKI | Ver Comentários (1)
Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2013

Filomena

Receio por ti

 

http://expresso.sapo.pt/cozinhar-reduz-apetite-sexual-nos-homens=f783388

Estrunfina às 17:49
Link | Comentar AKI

Freud explain

Não sei se é do livro que ando a ler mas ando com uns sonhos muitoooooooooooo estranhos.

 

Estrunfina às 15:32
Link | Comentar AKI
Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2013

Errrrrrrr

A propósito da Pepa e dos desejos para 2013:

 

Óh mãe, tb kerias ter uma mala Bechamél???

 

 

Estrunfina às 16:27
Link | Comentar AKI
Domingo, 27 de Janeiro de 2013

BRUTAL

 Já não chorava assim num filme desde o Titanic.

: One - The Impossible OST
Estrunfina às 22:57
Link | Comentar AKI

O Grito do Ipiranga

Há já 2 anos que a pequena vai à catequese.

Depois de negociações para trás e para a frt ela lá me explicou que tinha curiosidade sobre o assunto e eu acedi.

Sempre achei algo contra.natura. A única vez que o pai dela tinha posto os pés numa igreja, kdo eu o conheci, foi kdo o próprio irmão se casou. Desde então, e até ao divórcio, frequentámos a igreja nas cerimónias de casamentos, batizados e velórios. Nenhum de nós andou na catequese, no grupo de jovens nem nada que se parecesse. Foi por isso com algum espanto que reagi quando ele demonstrou o desejo de inscrever a miúda na catequese.

Sei que a nova esposa dele foi criada no seio da igreja católica e tem raízes bastante católicas e praticantes e concerteza que uma coisa influencia a outra, principalmente quando aparece outra filha na "fotografia" e se começa tb a planear a educação dela. Começa a não fazer sentido educar filhas de forma diferente. Até aí eu entendo mas, há um problema. Com o passar dos anos a minha relação com a igreja católica tem-se distanciado bastante, começando eu a achar que, neste momento, começa a ser insuportável. E isso torna-se um problema quando é a MINHA filha que está na missa.

 

Desta vez foi a cerimónia da entrega da Bíblia.

E lá fui eu. E foi um verdadeiro tormento p mim.

Em primeiro lugar e, principalmente, pk deixei de fazer algo que já tinha combinado com as mhas amigas e que mto prazer me teria dado. Segundo pk ela tb preferia ter ido brincar na praia com amiguinhas a ir enfiar-se na igreja p receber uma Bíblia porque "até já tem uma". E em terceiro lugar pk me sinto altamente desconfortável perante todos aqueles cerimoniais todos. Pior ainda, começo a achá-los completamente ridículos e sinto que é um desrespeito puro para com a fé dos outros, eu estar naquela disposição, quando a maioria das pessoas à minha volta, ali está com extrema devoção.

É verdade que nunca frequentei a igreja nem pratiquei a fé católica mas fui ensinada nos seus ensinamentos. Kdo estava nas missas das cerimónias que já referi cheguei até a rezar avé marias e pais nossos que ainda sei de fio a pavio mas, hoje em dia... nada dakilo se encaixa na mha cabeça.

Não me considero ateía nem tão pouco agnóstica. Creio em algo espiritual. Algo forte, capaz de mudar a vida de alguém, o seu coração, a sua alma. Creio na bondade e em todos os princípios, ou quase todos, que os católicos defendem como palavras de Deus.

Não vivo perante as leis de Deus. As leis de Deus foram definidas por Homens. Vivo perante os princípios da bondade, da compreensão, da tolerância. Valores que me ensinaram os meus familiares e amigos, que aprendi com a própria vida.

 

Que diferença faz se estiver de joelhos ou em pé??? Se como carne ou peixe a uma sexta feira. Se me benzo. Se presto reverência a um livro ou a uma figura de talha dourada. E ELE?? Que diferença faz chamar-lhe outra coisa qualquer?? Deus, presença, espírito, paz, força espiritual, luz........

 

A MISSA

 

Depois de uma longa conversa lá fomos. Um pouco depois chegou o pai, desta vez sózinho.

À hora marcada lá começou a cerimónia. A entrada da cruz pela nave central, elevada ao alto por uma criancinha das 3 criancinhas de vermelho e branco k depois passam o tempo todo no altar. Isto tudo ao som de uma versão alternativa e religiosa do My Way do Frank Sinatra. Claro k na mha mente começou de imediato a passar um filme em k eu agarraria num microfone e desataria  a cantar, inspirada, aquela parte do "Yeeeees there were times, I'm sure you knew...." STOP IT (dispára-se-me dentro da mha cabeça) e volto a concentrar-me.

Logo de seguida sinto-me como o Charlie Brown na sala de aulas (e isto tb me aconteceu durante o meu casamento). Na sala de aula dos Peanuts a professora do Charlie Brown imitia uns sons imperceptíveis. É o k ecoa na minha mente a cada leitura da missa. Aos primeiros acordes da viola eu volto a concentrar-me e eis que, agora entram novamente criancinhas na Igreja e desta vez os seus bracinnhos esticados seguram uma Bíblia. A música entoa pela igreja toda e sempre que, na letra da música referem a expressão "Tua Palavra" estendem uma mão na direção da Bíblia que segue igreja fora nas mãos da criança. Estranhamente aquilo faz-me lembrar a saudação Nazi e baixo a cabeça disparando um novo "Stop It" na mha mente.

Mais momentos Peanuts com sons que a mha mente distorce e eu não consigo ouvir. Por esta altura, e por estar de pé já há algum tempo, reparo que a minha postura já n é a melhor e k estou encostada à parede da igreja num claro desalinho. Endireito-me e tento prestar atenção. De repente tomo consciência k estou ali, com o P. O meu ex-namorado e ex-marido P. K raio estamos nós os 2 ali a fazer na missa a um sábado à tarde. Ca raio de voltas deu a nossa vida p ali estarmos os 2, lado a lado a olhar p a nossa filha a saudar um livro e a cantar músicas, no mínimo, estranhas.

Olho para os tetos, p os murais, p os vitrais. Olho à volta. Pego no tlm vezes sem conta.

A senhora ao meu lado espirra e de rajada dispáro um "Santinha". N há kk resposta. Fico a pensar se será heresia dizer "Santinha" na missa kdo alguém espirra. Volto a endireitar-me. Volto a mirar as pinturas e descubro que uma parte do estuque do teto caíu. Fico a imaginar k um bocado de estuque a cair daquela altura ainda deve fazer mossa na cabeça de alguém.

De repente, um monte de gente à mha volta ajoelha-se no chão. O silêncio na igreja é sepulcral e mesmo os k não estão ajoelhados, estão de olhos fechados e cabeças baixas em sinal de reverência. Kk coisa a ver com o corpo e o sangue de Cristo e eu olho aquilo tudo com uma estranheza inédita. Penso nas seitas e nos cultos de outras igrejas e religiões. Tudo me parece igualmente estranho. Estou altamente desconfortável por achar que o que se está a passar na minha mente só pode ser ofensivo para com aqueles que estão ali em nítida devoção.

Voltam a levantar-se, aliás, perco conta ao número de vezes em que sentam e levantam. Mais música. A certa altura, reconheço a música. Demoro alguns segundos a perceber que música é mas dou com "o gato" - "It's a heartache" da Bonnie Tyler. A mha mente trauteia agora a versão da Bonnie Tyler ignorando por completo a letra alternativa que alguém compôs, continuando depois a divagar sobre as igrejas americanas com coros Gospel. Estaria muito mais deliciada a ouvir vozes pujantes a cantar a sua fé a plenos pulmões.

Chamam agora todos os putos do 3º ano da catequese, um a um, para entregarem as Bíblias. Penso em qual será a gravidade se a mha filha deixar cair a Bíblia ao chão.  Torço p k isso não lhe aconteça.

Antes da coisa terminar ainda nos mandaram saudar uns aos outros. limitei-me a virar-me p o P e dar-lhe 2 beijos e quase que me cai o queixo quando ele me cumprimenta e me diz: Paz de Cristo. O P?!?!?!?!? Paz de Cristo?!?!?!?!?!?!?

Dá.me vontade de rir e demoro algum tempo a controlar a coisa.

É mesmo verdade: Nunca digas desta água não beberei porque a vida dá mesmo umas grandes voltas.

Finalmente aquilo terminou. Saí e enchi o peito de ar assim k saí. A sensação era de claustrofobia, quase.

A seguir ainda havia o lanchinho de convívio. O pai foi-se embora e eu ainda esperei um pouco. Assim comássim, já que tinha feito o raio do bolo, ao menos k a míuda  lanchasse antes de irmos para casa.

Assim sendo, sentei-me lá num cantinho enkto ela deambulava pelas mesas, com uma amiguinha.

E ali estava eu, sentadinha numa cadeira, no canto do salão paroquial, com uma Bíblia ao colo, a pensar: K raio de figurinha a minha!!!

E eis k ela aparece a correr afogueada a pedir-me a Bíblia para ser assinada.

WTF?!?!?!?!? Assinada por quem??? E eis k, kdo a sigo, vejo um amontoado de putos de Bíblia ao alto, de volta do Padre que parece estar numa sessão de autógrafos na Fnac. Ainda esperei um bocado mas, n deu p aguentar: "M...xispa que se kiseres mto, mto, eu assino-te a Bíblia e até ponho o nome k tu kiseres"

 

Terminada a experiência foi tempo de reforçar o meu total respeito pelas opções dela mas que ela tb tem k entender k p mim é uma experiência nada agradável e que, por esse motivo, caso tenha outros compromissos, não a acompanharei nesta faceta da sua vida. Eu respeito as escolhas dela mas ela tb tem k respeitar e entender as minhas. Volta a dizer-me que quer deixar a catequese mas que o pai não deixa. Digo-lhe que isso terá que resolver com o pai pk eu, por todos os motivos e mais alguns, já não me meto nesse assunto. 

 

E hoje... sinto-me mais leve (infelizmente, só espiritualmente)!

 

 

 

Estrunfina às 20:31
Link | Comentar AKI
Quinta-feira, 24 de Janeiro de 2013

Thank You LORD!!!

Obrigada aos senhores agentes da PSP que me perdoaram os 120€ de multa e a apreensão de carta (por reincidência). Serei uma eterna agradecida por este ato de misericórdia. Sinto-me inspirada a praticar o bem e a ser mais benevolente para com o Mundo.

 

A quem passou na rotunda das Portas de Benfica e viu uma gaja parecida comigo, lavada em lágrimas, agarrada à perna do polícia sendo arrastada enkto ele se dirigia p a sua viatura para me autuar....... NÃO ERA EU!!

 

Estrunfina às 18:24
Link | Comentar AKI
Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2013

Miss

Estrunfina às 22:33
Link | Comentar AKI

I think I found it

Estrunfina às 14:07
Link | Comentar AKI

Caros súbditos

Podereis tratar-me ao longo deste semestre por: Sô Dona Administradora.

Não me querendo gabar, sou administradora de "plenos poderes".

 

Posta a paneleiragem de parte... O quadro elétrico da escada já deu o berro e nem passaram 15 dias.

Eu metralhei o gajo na cruz, só pode!!!!

 

Estrunfina às 13:57
Link | Comentar AKI
Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2013

Damn it!

Há dias em que fazer o k faço custa mais, pesa mais.

Este ano sou Diretora de Turma. Pela primeira vez sinto essa responsabilidade. A única vez k tb tinha sido DT calhou-me uma turma de 12 gajas, do 12º ano e a marmanjice já era tanta k a maioria era Encarregada de Educação de si própria.

Este ano tenho uma turma de 6º ano. Pirralhitos de 11/12 anos.

Hoje tinha chamado à escola uma encarregada de educação cuja filha veio transferida para a mha turma na altura em que fui operada e de quem pouco ou nada sabia a não ser que a miuda andava a faltar imenso.

Preparadíssima para o discurso da praxe com aquele sentimento de que ía receber alguém que não estava nem aí p a filha.

.

.

.

.

.

.

 

Eles são 4 lá em casa. A mãe, o filho mais velho (k me pareceu adolescente), a mha aluna de 11 anos e um bébé de 3 anos. O pai morreu.

Ela perdeu o emprego em Setembro. Os vistos caducaram e ela perdeu os rendimentos sociais.

Trabalha 4 horas por dia e quando vai trabalhar, um dos filhos mais velhos tem k tomar conta do mais novo pk n há dinheiro p pagar uma creche.

Perguntei como era com a alimentação das crianças. Murmurou-me um "Muito difícil" e baixou os olhos enkto eu tentava não alagar os meus.

Tomadas as medidas necessárias a mha aluna tomará o pequeno almoço e almoço na escola.

A mãe irá reunir com a assistente social.

E eu... eu não consigo parar de pensar no que comerá o pequenino de 3 anos.

 

Estrunfina às 20:50
Link | Comentar AKI
Quinta-feira, 10 de Janeiro de 2013

9 Anos

Começava a maior aventura da minha vida

 

 

Parabéns, vida!!!

: You are my sunshine
Estrunfina às 11:10
Link | Comentar AKI | Ver Comentários (2)
Sexta-feira, 4 de Janeiro de 2013

Always the Spirit

: Try - Pink
Estrunfina às 11:27
Link | Comentar AKI

Creative Commons License
Estrunfinices by Estrunfina is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Portugal License.

Últimas Estrunfinices

OBRIGADA!!!

Por fin...

Catarse!!!

Nem mais!

Há coisas do caraitas!!!

4655 Dias de TI

RESPECT!!

A primeira aula da manhã

Suspiro FUNDO

Quer-me cá parecer que...

Baú das Estrunfinices

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Setembro 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Aldeia dos Estrunfes

O Divino em MIM

 

A MINHA FILHA.  O calor do sol a keimar o corpo num dia de praia. Um mergulho de mar ao luar.  Os sorrisos.  Morangoska granizada. Akela música, no momento certo.  Andar descalça sobre a relva.  O cheiro da terra molhada.  Dream Team Forever Marés vivas num dia de Inverno.  O nascer de um novo dia.   Akele olhar.  Chamusca.  Pego Escuro. Correr na praia e espantar as gaivotas.  Um sussurro k faz bater forte o coração.  O suspiro da minha filha kdo dorme.  A saudade. Gargalhadas.  A gargalhada dela.  Licores.  Avistar Lisboa da Ponte 25 de Abril.  Gelado de Dolce de Leche.  Os ABRAÇOS k transbordam a alma.  O microfone. Quando os meus alunos "Conseguem".  Andar de mão dada. Cócegas.  "AMO-TE".  Petiscadas.  A atracção.  Ilha deserta.  Sentir a minha filha dentro de mim.  Dançar.  Pasteis de Nata.  O carinho de ex-alunos. O silêncio.  O céu estrelado de uma noite quente no Alentejo.  As minis à varanda, a ver o mar. DREAM TEAM FOREVER.  O carinho da família.  Banho de mar "em pêlo".  As bolachas da mana.  A fogueira da Praia Verde.  Ver a minha filha aprender algo novo. Porto Novo.  Rir até chorar. Serra de Sintra.  Os primeiros passinhos.  Ver raios de sol "furarem" o céu nublado.  AMIG@S.  Ouvir o bater do coração.  Olhar nos olhos.  Vimeiro.  Uma massagem.  Cheirinho a casa limpa.  Golo de Portugal. O Guadiana.  Orgasmo.  Ver o pôr-do-sol sabendo k ele nasce noutro sítio ao mesmo tempo.  Amamentar.  O céu azul.  Noite quente à beira Tejo.  Papoilas.  Cheiro a maresia.  Sardinhas assadas.  Alcançar.  O brilho do sol reflectido na água.  Gaivotas.  Fazer amor na praia.  O cheirinho k fica na roupa dela .  Acordar.  Fazer "Koys" enroscadinha a ela debaixo do edredon.  Cataplana de Lagosta.  A minha filha bébé adormecer sobre o meu peito enkto mexia na mha orelha.  Lua Cheia.  Panquecas às 3 da manhã.  O Cristo Rei.  O cheiro da pele depois de fazer amor.  A casca do pessego.  A "minha" estrela.  O toke. Pistacios.  Correr com ela na praia.  As boas conversas.  Girassóis.  Concertos dos Bon Jovi. Chorar até tirar o peso do peito.  Cantar.  Coca-cola.  Rezar.  Guincho. Todas as "Good Nights".  Margarita de morango a meio da tarde na esplanada do Siesta.  Frio na barriga. Orgulho.   Dormir numa cama feita de lavado.  Beijo com língua.  Golo do Benfica.  Uma garrafa de Grandjó geladinha.  A primavera no Alentejo.  Lareira.  Póvoa Dão.  Voar.  A carta certa num jogo de Poker.  Jantar à luz das velas.  Caracóis.  Ganhar no último minuto.  Uma viola, uns acordes e amigos. Beijos no pescoço.  O 1º "Mamã".  Ver a balança a baixar.  Um cigarro ao luar.  Cheirar protector solar no Inverno.  Bolas de sabão. Fazer mergulho.  Trovoada de Verão numa noite à beira mar.  O 1º beijo.  Banho de espuma e pétalas, música certa e luz de velas. Dormir a sesta.  Lisboa à noite vista do ar.  Ramos de rosas.  Ferreira.  O sabor da água salgada na pele.  Ouvi.la cantar a plenos pulmões quando vai à pendura na mota. O vôo da cegonha.  Os jogos em "Miami Beach".  APRENDER.

 

 

 

blog1